sexta-feira, 24 de setembro de 2010

No dia em que os coelhos uivaram.

Nuvens cúmulos cinza negro, arrastadas pelas nortadas furiosas, fazem os tubos de bronze suspensos dos ramos das crespas estepes, ressoarem latidos de proclamação de domínio sobre as tementes mentes.

Iniciara uma nova era!

Os lobos, raivosamente ofendidos por felpudos rugidos nos cumes das escarpas, rasgam as veredas, numa ascensão galopante, para o términos estabelecer em tal ousadia imponderada. Mas algo inesperado aconteceu! Milhares de coelhos precipitam-se -lhes para as raivosas mandíbulas!
Dias antes um coelho moribundo descobrira que, ali no vale dos lobos salobros, a vegetação predominante era a camomila e o hipérico!
Naquele vale, nunca faltavam os coelhos. Eles vinham de todas as partes da montanha. Os lobos, há já muito que nas suas caminhadas migratórias, se rebolavam por sobre as amarelas e perfumadas flores da macela e do hipericão, transportando em seus pêlos, as microscópicas sementes, que semeavam no vale à sua chegada. No vale das águas abundantes, as dopantes plantas proliferavam.
Os lobos bem o sabiam!...
Sempre frescas e saborosas, sem vestígios de dente de leão, cuja diurese poderia desintoxicar, as duas plantas mantinham os coelhos felizes e despreocupados. Os lobos, quais manobradores de marionetas, manipulavam uma sociedade, na pele de cordeiros, demonstrando a sua dedicação em feliz manter aquela chusma de dopados indigentes.
Pois bem, não havia, nos vales das redondezas, roedores mais felizes! Nem que tão abnegadamente tolerassem os residentes e benfeitores lobos. Compreendiam e com agrado, seus irmãos ofertavam, para que a paz e as bênçãos perdurassem!
No vale dos lobos salobros, o lobo líder da matilha, certificava-se da virtude da sua doutrina, ofertando periódica e frequentemente, um abundante repasto concentrado de pétalas de ambas as flores aos coelhos agradecidos. Tal ritual, enternecia e subjugava quem via nos lobos divindades admiráveis, apontando e descriminando os que nos caninos dos lobos não confiavam. Certo era, que naquele vale sussurrava uma paz embriagada há já longos séculos!... De herege denominado, quem não comia era infeliz e assim legitimava as profecias dos canídeos.
Mas, dias antes um coelho moribundo descobrira, que ali no vale dos lobos salobros, a vegetação predominante era a camomila e o hipérico!
Então, milhares de coelhos precipitam-se para as raivosas mandíbulas dos lobos, ofendidos por felpudos rugidos, rasgam as veredas, numa ascensão galopante, para o términos estabelecer em tal ousadia imponderada...e com o temor de que os idiotas roedores, da essência da desventura se tenham apoderado...

© Mário Rodrigues - 2010

1 comentário:

  1. No meio de tamanha caligrafia pouco percebi,mas o suficiente para escrever aqui.
    Coelhos como este, ja poucos se vêem,mas como as coisas vão qualquer dia vejo tais que lêem.
    Um sincero adues do teu incógnito Ber...

    ResponderEliminar

…Escrevo, principalmente, por falta de espaço dentro de mim para tantas emoções e tão grandes (para mim). Anseio pelos comentários, porque fico com a sensação de que os pingos de emoção que transbordo caiem em terras fecundas, e coadjuvam o nascimento de novas emoções, e produzem opiniões e contra pontos e desafios… e isso. Isso é “geleia real”, para as nossas vidas…

Mensagens populares