segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Hoje sou uma simples cobertura de nada!...

Hoje escutei uma história!...

"A noite é demasiado grande!
A escuridão, onde me escondo, ofuscado pelas trevas da ausência da luz, prolonga-se demasiado!
A meio do voo tripulado por um louco, abriram a porta e largaram-me a mil metros do chão!
Vejo as pessoas com dificuldades e embaraçadas. Com inércia, vou até elas. Quando me reparam olho-as profundamente em silêncio até às suas várias cavidades. Depois olho-as nos olhos...
Sim! Ainda em silêncio! A densidade dos olhares é incompatível com sons ou palavras!... Nem mesmo um urro! Imóveis, desnudamo-nos mutuamente, escancaramos os segredos, espalhamos nas mesas as vergonhas, perscrutamos sem pudor as dores...
Ali hirtos! Vejo gotas de amor entre as sobrancelhas... Vejo fios de raiva no castanho de cabelo... Palpebras semi-serradas, papudas, de pestanas afrontadoras e aptas a desferir golpes profundos...
As pessoas são estranhas! São uns seres estranhos, pouco regulares, com extremidades agudas, com labirintos nos olhos e dúvidas nas mãos...
Sim, vi!...
Não! Não perguntaste nada!
Tenho de te dizer!... Tenho de te dizer que a noite é demasiado grande, e que é tão grande que quase me obriga a dormir!
Não quero dormir!
Não posso dormir!
Se um dia!... Se um dia eu dormir... Ela volta a morrer! Mas eu não consigo falar porque a boca se me não abre e o diafragma se me não contrai, expelindo ar revérbero pelas cordas vocais!...
Mas eu tenho de dizer!...
...
Estás a ouvir! Eu sabia que ouvias! Estás inerte, hirto em silêncio...e estás a escutar-me!
...
Ouviste como ele a chamou com voz de ódio descontrolado?
Ouviste como ele lhe ordenou que se despisse e se deitasse nua sobre a pedra da mesa da cozinha?
Ouviste-o a dizer que ia salvar?
Ouviste-o dizer que a amava muito?
Viste-o a agarrar na motosserra e a pô-la a trabalhar e a acelerá-la inúmeras vezes e cada vez mais num frenesim incompreensível?
Ouviste-o a gritar palavras de ordem?
Ouviste-o a exigir-lhe que não implorasse pela vida?
Ouviste-o a dizer que a ia cortar às postas e precisava de se concentrar?
Ouviste?...
Ouviste?
...
Eu... Eu estava dentro da sexta que servia de berço, no quarto, no outro lado do corredor, tinha uma porta entreaberta que deixava que eu observasse pelas frestas das dobradiças da porta...
...
Anos mais tarde... Ainda estás a ouvir, não estás? - Anos mais tarde, ele estava a serrar um tranco de um pinheiro alto! Subira por uma escada até lá. Eu estava de pé, imóvel, em silêncio, hirto...ao fundo das escadas de casa, a cinquenta metros dele. Olhava-o à distância!... Num voo, largado a mil metros do chão, vejo-o a empalar-se num dos postes da vedação!...
...
Não me movi!...
Na minha cabeça, uma tempestade, empurrava-me para a frente!...
O meu corpo, tal como agora a minha boca, não obedece a nada! Não faz o menor movimento. Fico imóvel! Observo o corpo movimentar-se numa espécie de convulsões que se me assemelham a um desenrolar de exorcismo...
Passados alguns abundantes minutos...
Inspiro muito e expiro até ficar vazio!...
Hoje sou uma simples cobertura de nada!...
De nada...."


© Mário Rodrigues - 2010

3 comentários:

  1. a noite... a noite abraça as coisas do bem e alberga o mal. ando de braços dados. a noite com o mal, a noite com a morte, a morte com a vida. o medo.

    ResponderEliminar
  2. Pois é como dizes Taniah!

    Há pessoas que carregam fardos insuportáveis... Esta é uma delas! Foi sendo testemunha de uma violência brutal do pai para com a mãe durante anos. Quis a circunstância, em vez do destino que não existe, que ele assistisse à morte horrenda do pai. Agora, décadas depois, internado, falou do assunto quase calado. Em murmúrios explicou que não sentiu a menor pena do pai no memento do incidente. O facto, leva-o a achar que não é muito diferente dele...impiedoso...
    Há pessoas que têm desgraças na vida, mas há pessoas que nasceram desgraçadas!

    beijos

    ResponderEliminar
  3. *
    uma bela narrativa,
    parabens !
    ,
    é ao amanhecer,
    que sinto o vazio,
    ocando o pensar !
    ,
    saudações,
    ficam,
    ,
    *

    ResponderEliminar

…Escrevo, principalmente, por falta de espaço dentro de mim para tantas emoções e tão grandes (para mim). Anseio pelos comentários, porque fico com a sensação de que os pingos de emoção que transbordo caiem em terras fecundas, e coadjuvam o nascimento de novas emoções, e produzem opiniões e contra pontos e desafios… e isso. Isso é “geleia real”, para as nossas vidas…

Mensagens populares