segunda-feira, 1 de julho de 2013

Será que temos... Insucesso escolar, insucesso na aprendizagem, insucesso no ensino ou nenhum deles?



Se nos processos de aprendizagem, formação da personalidade e estruturamento de prioridades no desenvolvimento do individuo e do seu carácter, o conhecimento empírico e holístico tem um peso derradeiro, no ambiente "escola", tais modos de adquirir saberes, não são tão usados ou correntemente utilizados sendo preferido um método de administração de conhecimentos mais tutorial.
A incomensurabilidade simultânea de simplicidade e complexidade do cérebro, fá-lo ser, provavelmente, o único órgão capaz de desenvolver um estudo aprofundado de si próprio, sendo que a simplicidade lógica e quase "binaria" dos processos de estímulo/resposta neurológicos contrasta com a variedade de respostas possíveis após o decorrer desse mesmo processo. O conhecimento do funcionamento do cérebro é fundamental para a melhor adaptação dos métodos de ensino, para que desse modo se agilize a aprendizagem.
Proporcionarmo-nos experiências frequentes de consciencialização da estrutura física e funcional do cérebro deverá ser um dos primeiros passos num longo caminho de o bem utilizar, promovendo através destas um melhor entendimento do que nos rodeia e de como poderemos transmitir eficazmente esse conhecimento a outros.
Tratando-se de um órgão essencialmente funcional, a complexidade, diversidade e o trabalho envolvido nos processos, são decisivos para um amplo crescimento e desenvolvimento do mesmo, não obstante o dimorfismo sexual humano, condiciona o desenvolvimento cognitivo.
A adaptabilidade plástica do cérebro, estrutural e funcional ao longo do decorrer da vida com o objetivo de acompanhar as exigências e funções da adaptação a ambientes aliada á ferramenta de excelência, a linguagem em todas as suas vertentes, permitem o acesso necessário à troca de aprendizagens e conhecimentos. Esses, por sua vez, fazendo uso da ferramenta de desencriptação da mensagem que lhe transmitimos dominam a capacidade de "desencriptar" a mensagem, factor determinante para a quantidade de informação entendida, condicionando assim a eficácia da mesma.
É imprescindível a utilização de léxicos comuns a ambos os agentes. Esta ideia poderá levantar questões relacionadas, nomeadamente de quem deve fazer o quê?
Devem os educadores utilizar léxicos menos ricos ou até mesmo pobres para fazerem chegar a mensagem?
Deveremos todos nós, promover, habilitar ou reabilitar o nosso vocabulário e dinâmica de transmissão de sensações?
Num verdadeiro exercício de imaginação, suponho-me fisicamente em uma plateia em discussão, constituída por ilustríssimos conhecedores de, vamos supor, formas de vida existentes em Marte. Sou submetido a seis horas de débito transversal de informações de valor indiscutível, provenientes de estudos aprofundados e dados retirados de experiencias inquestionáveis. O léxico utilizado pelos meus colegas de plateia é substancialmente diferente do meu. Eles estão a utilizar um código de encriptação com diferenças várias perante o meu, provocando assim, a existência de lacunas nos conteúdos da informação e a consequente deformação da mensagem por mim recepcionada. Terminada a discussão, sou submetido a uma prova que tem como objectivo primordial a avaliação dos conhecimentos por mim apreendidos na mesma. Eu executo a prova tendo por base óbvia a informação desencriptada pela minha ferramenta, o meu léxico, à qual junto as lacunas provocadas pela utilização de uma terminologia que não conheço.
Os resultados obtidos serão efectivamente correspondentes ao meu nível de conhecimento da matéria?
O meu conhecimento adquirido da matéria tem alguma proximidade da realidade da informação?
Perante os meus maus resultados é legítimo afirmar que existiu insucesso de aprendizagem?
Face aos resultados podemos admitir algum tipo de exclusão sociopedagógica?
E se eu pretender transmitir o que aprendi a um terceiro com um léxico eventualmente mais pobre que o meu? Que mensagem ele vai reter?

Estas e muitas outras questões que foram abordadas na formação levaram acima de tudo a que ficasse com muitas questões em mente. Mais que respostas, surgiram-me inúmeras dúvidas e perguntas que gostaria de encontrar respostas:
Como estão os programas lectivos estruturados?
Essa estrutura permite a adaptabilidade plástica do cérebro?
As matérias colocadas em programa estão na sequência necessária para a apreensão por parte do cérebro?
A execução dos programas lectivos contempla os intervalos imprescindíveis à apreensão, experimentação e consolidação da aprendizagem promovendo a criação e consolidação de vias neurológicas?
E no caso de ciclos pré-escolares, qual é o papel da família?
Os diversos e enormes problemas causados por processos disfuncionais de vinculação e estereotipagem dos pais e ou educadores?
As famílias são promotoras, cooperantes e coadjuvantes do ensino e da aprendizagem?
As famílias têm o mínimo de conhecimento acerca do funcionamento neurológico e cognitivo dos seus elementos e como se processa a aprendizagem?
Uma questão “intrigante” que me fica sem resposta é o “abuso” na administração em tão precoce idade de Metilfenidato, quase a gosto por incapacidade ou indisponibilidade para melhor educar?
Qual é o papel do clínico de clínica geral e familiar neste processo de sobre diagnóstico de híper actividades?
Poder-se-á equacionar uma pouco ética manipulação precoce da construção da personalidade da criança através da utilização de fármacos (leia-se Metilfenidato por ex.) interferindo directamente na construção e na adaptabilidade plástica do cérebro?

…Quantas questões ficam no ar!...

A única coisa de que fico convicto, é que é necessário e urgente obter respostas comprovadas e experimentadas para muitas questões e dúvidas que estão por responder e muitas outras que com toda a certeza irão surgir.
É urgente a criação de um grupo interdisciplinar e multidisciplinar de trabalho que tenha em vista o desenvolvimento de um trabalho impermeável a pressões políticas, de lóbis, de preconceitos, de ideologias, etc.…
Fiquei com a certeza de que não existe uma “receita” inequívoca a seguir.
Fiquei com a certeza de temos de motivar mais os educadores e os políticos do que os estudantes.
Fiquei com a certeza de que se estão a cometer muitos “crimes” seguindo determinados métodos.
Fiquei com a certeza de que é urgente melhor compreender, melhor fazer uso do compreendido e melhor ensinar dando início a uma corrente consolidadamente direccionada.

© Mário Rodrigues - 2013

Sem comentários:

Enviar um comentário

…Escrevo, principalmente, por falta de espaço dentro de mim para tantas emoções e tão grandes (para mim). Anseio pelos comentários, porque fico com a sensação de que os pingos de emoção que transbordo caiem em terras fecundas, e coadjuvam o nascimento de novas emoções, e produzem opiniões e contra pontos e desafios… e isso. Isso é “geleia real”, para as nossas vidas…

Mensagens populares