quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Portanto, meu amigo, isto não é coragem mas antes medo!

Para melhor se entender este post, deve ser lido antes o "Não sei se algum dia estarei satisfeito", bem como os comentários...


"...Gostava de ter a tua coragem."
...
Olá meu bom amigo,

Leio o que me dizes com cuidado e atenção. A cada passo vou reflectindo em mim. Não me invejes a coragem! Ela não existe! Pelo contrário, o que existe é pânico! Um medo enorme do que os meus pensamentos e a minha "consciência" me façam a mim mesmo! Medo de me ver obrigado a admitir perante mim próprio, que tenho ou tive uma existência inútil e perfeitamente dispensável! Que para nada servi e que nem viver consegui, limitando-me a sobreviver. 
Enquanto te escrevo isto, vai-me assaltando a cabeça o pensamento de que no fundo, nada mais sou que um egoísta pseudo-activo!... Será, quanto muito, uma ferramenta, de cabo partido, para lutar por uma sobrevivência não corpórea. Uma espécie de armistício...

Portanto, meu amigo, isto não é coragem mas antes medo!
Isto não é altruísmo mas antes egoísmo!

Mais corajoso me pareces tu, que sabendo do mesmo que eu, não te submetes aos domínios, enfrentando os medos e dominando os pânicos...

Um abraço


© Mário Rodrigues - 2011

9 comentários:

  1. não faço a menor ideia a quem se destina a missiva e nem interessa,
    o que realmente me fizeste lembrar foi aquela frase que o avô dizia, o pai repetia e eu apreendia "heroísmo não é ausência de medo, é a capacidade de mesmo a "mijar-se todo", considerar a hipótese de se atirar de cabeça ou... procurar alguma saída escondida, mesmo que não exista"

    ResponderEliminar
  2. Olá Alya,

    Palavras sábias essas!...

    No entanto não era dessa coragem que se falava. A culpa é minha porque deixo as coisas à mercê dos pensamentos...

    Aconselho a leitura do seguinte post e seus comentário:

    http://recantodossuricates.blogspot.com/2010/09/realmente-nao-sei-se-algum-dia-me.html

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. :)
    e sabes que mais?
    ainda continuo a achar que herois somos todos
    :)
    e já almoçava, meus senhores :D

    ResponderEliminar
  4. O medo faz parte de tudo um pouco. Mas desde que não nos impeça de nada...
    Não é?

    ResponderEliminar
  5. Olá secreta,

    Sim é verdade o que dizes, entanto não era dessa medo que se falava. A culpa é minha porque deixo as coisas à mercê dos pensamentos...

    Aconselho a leitura do seguinte post e seus comentário:

    http://recantodossuricates.blogspot.com/2010/09/realmente-nao-sei-se-algum-dia-me.html

    Beijos

    ResponderEliminar
  6. Depreendo que só o resultado poderá avaliar o herói, e costuma ser assim. Quando o resultado é mau, é fruto da inconsciência temerária, quando é bom então valha-nos a grande alma que enfrentou o papão. No entanto acho que te estás a escusar à comparação entre a lebre e a tartaruga, sem olharmos ao desfecho do La Fontaine que é meramente fabulástico. Pergunto-te, perante a derrocada qual é mais herói, a lebre que salta para lugar seguro ou a tartaruga que se encolhe na sua concha à espera que os calhaus não a esmaguem? O que sobreviva será o herói, no entanto partindo do princípio que nenhum de nós é uma coisa nem outra, a adopção de uma ou de outra estratégia parece-me, durante a corrida, delinear o verdadeiro campeão. Que termine como vaticina a Ana, também ela uma heroína, e principalmente que ninguém seja comido pelos papões.

    Grande abraço, tu és tramado!... :)

    ResponderEliminar
  7. Meu querido amigo, confesso que introduzi uma provocação cravada de alguma malícia e reparo no modo audaz e admirável como a devolves.

    Em todo o texto falei de mim, só de mim e exclusivamente de mim. Para mais te afirmo que o dito medo com que sou impelido, em nada me serve de garante, pelo que suspeito que no derradeiro momento de nada terei a certeza. Ambas as nossas situações descritas, que em si também se cruzam e entrelaçam, são legítimas e reais. Dão-nos bastante que fazer, e levantam-nos muitas dúvidas e poucas ou nenhumas certezas.
    O resultado, tal como o descreves, não é importante, como também depreendi das tuas palavras. O percurso no entanto faz toda a diferença e isso, ambos procuramos e lutamos para que seja o que pensamos que seria melhor.
    A tartaruga tem uma protecção com que a lebre não conta, enquanto a lebre tem uma agilidade que a tartaruga deixou nos testículos do criador. Cada uma faz uso do seu conhecimento e características para melhor enfrentar a situação com que se depara.
    Como a sábia Ana nos disse, aqui ou são todos ou não é ninguém...

    E para o caso de te não lembrares, se os papões nos comecem não os estávamos a pôr em causa e a reduzi-los a lixo deste modo como acabamos de fazer. Sabemo-los e enfrentamo-los afrontosamente.

    Um abraço para ti.

    O prazer que estas cenas me dão!... :))

    Vamos almoçar com a Ana?

    ResponderEliminar
  8. Pois, daqui levo tanta lição que esta é mais uma, não falei do almoço... VAMOS, CLARO! (Combinar isso é que vai ser um caldo... Vês tu onde perco as corridas?) :)))

    Abraço, Mário. Tu és grande!

    ResponderEliminar
  9. se há coisa que me dá mesmo gozo é "ouvir-vos" dialogar :)

    oh Cyber desculpe lá mas caldo??? caldo??? não contem comigo que eu não estou a dieta para andar a comer caldos e para caldinhos já bastam aqueles em que me meto :P

    um abraço a ambos, grandes senhores

    ResponderEliminar

…Escrevo, principalmente, por falta de espaço dentro de mim para tantas emoções e tão grandes (para mim). Anseio pelos comentários, porque fico com a sensação de que os pingos de emoção que transbordo caiem em terras fecundas, e coadjuvam o nascimento de novas emoções, e produzem opiniões e contra pontos e desafios… e isso. Isso é “geleia real”, para as nossas vidas…

Mensagens populares