terça-feira, 27 de outubro de 2009

Queria que hoje fosse um dia importante

Queria que hoje fosse um dia importante na minha vida... Queria que hoje, numa soma decisões plenas da inexistente liberdade, mas temo que esta intenção, só por si, sirva para boicotar tudo o resto, decidisse decidir, deixar de dar guarida a uma enorme; enorme demais, montanha de porcarias que me tornam o arrasto abrasivamente aderente ao meio...

© Mário Rodrigues - 2009

8 comentários:

  1. Mário, hoje vou ser MUITO original e robar umas palavras que li algures... mesmo ali em cima
    "Todos os dias, temos mais uma oportunidade de sermos melhores.Possivelmente não conseguimos mudar os outros, mas talvez possamos ser diferentes..."
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Oh querida Nirvana

    Como estás certa! E aquela frase também!

    Sabes, por razões várias, a minha linha do tempo vai albergando períodos de alegria e satisfação plena, com períodos de nostalgia depressiva, em que tudo é posto em causa. Como de de um puzzle se tratasse. Amando-o para o chão, recolhendo depois a peças uma a uma e colocando-as nos seus locais, certificando-me das suas posições.

    E não é que naquele mesmo dia, antes de chegar a meia-noite, já tinha expulsado umas tantas me...porcarias e exorcizado uns fdp de uns demónios que se vão acumulando pelos recantos e prateleiras das nossas cabeças e corações...

    Uma grande beijoca Nirvana

    ResponderEliminar
  3. Olá Mário.
    Já vim aqui ao teu sítio várias vezes e fiquei sempre com a mesma impressão, que algo, seja lá o que for, te atormenta, ou atormentou. Já me senti assim muitas, mas mesmo muitas vezes, sei que é fácil falar, mas existem coisas, tão simples, que nos ajudam a sentirmos-nos um pouco melhores com a nossa vida, com os outros e com o mundo:

    Transcrevo um texto de Charles Chaplin que tem muito de verdade, pena que eu não saiba escrever coisas assim, belas mas difíceis, algumas:

    "Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância, eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exacto.E então, pude relaxar. Hoje sei que isso tem nome... Auto-estima. Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia, meu sofrimento emocional, não passa de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.Hoje sei que isso é...Autenticidade. Quando me amei de verdade, parei de desejar que a minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para o meu crescimento. Hoje chamo isso de... Amadurecimento. Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo tentar forçar alguma situação ou alguém apenas para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou a pessoa não está preparada, inclusive eu mesmo. Hoje sei que o nome disso é... Respeito.Quando me amei de verdade comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável... Pessoas, tarefas, tudo e qualquer coisa que me pusesse para baixo. De início minha razão chamou essa atitude de egoísmo.Hoje sei que se chama... Amor-próprio. Quando me amei de verdade, deixei de temer o meu tempo livre e desisti de fazer grandes planos, abandonei os projectos megalómanos de futuro.Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo. Hoje sei que isso é... Simplicidade.Quando me amei de verdade, desisti de querer sempre ter razão e, com isso, errei muitas menos vezes.Hoje descobri a... Humildade. Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de preocupar com o futuro. Agora, me mantenho no presente, que é onde a vida acontece. Hoje vivo um dia de cada vez. Isso é... Plenitude. Quando me amei de verdade, percebi que minha mente pode me atormentar e me decepcionar. Mas quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada. Tudo isso é... Saber viver!!!"

    Afinal até mesmo as pessoas célebres sentem angústias e injustiças, porque se não como poderia ter sido possível a Charles Chaplin escrever tudo isto, tantas verdades?

    Uma boa semana e um beijo da Milu

    ResponderEliminar
  4. Olá Milu

    Li o teu comentário e senti uma obrigação de te explicar mais um pouco. Tenho sempre obrigações para com quem se preocupa comigo!
    Felizmente, as minhas tormentas, nos dias de hoje, são pequenos problemas que vou resolvendo, acima de tudo, com as lições que adquiri, com outras tromentas que foram grandes e profundas na vivência e nas cicatrizes da "alma". Mas tambem te digo que tenho muito gosto em ser o homem que hoje sou, em saber que tenho muito por aprender e tambem algumas coisas para sugerir. Tal como no texto que me envias, modifiquei o meu modo de ver os outros, de estar na vida e objectivos. Nos dias de hoje, a tormenta que tenho, é igual à de qualquer pessoa normal somada aos pavores que tal como tu, temos em relação aos futuros dos nossos filhos.

    Envio-te, eu tambem um texto, que sinto me descrever bastante bem.

    "Ando devagar porque já tive pressa
    E levo esse sorriso porque já chorei demais
    Hoje me sinto mais forte mais feliz, quem sabe
    Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei
    E nada sei
    Conhecer as manhas e as manhãs
    O sabor das massas e das maçãs
    É preciso amor para poder pulsar
    É preciso paz para poder sorrir
    É preciso chuva para florir
    Penso que cumprir a vida seja simplesmente
    Compreender a marcha e ir tocando em frente
    Como um velho boiadeiro levando a boiada
    Eu vou tocando os dias pela longa estrada, eu sou
    Estrada eu vou
    Conhecer as manhas e as manhãs
    O sabor das massas e das maçãs
    É preciso amor para poder pulsar
    É preciso paz para poder sorrir
    É preciso chuva para florir
    Todo mundo ama um dia, todo mundo chora
    Um dia a gente chega no outro vai embora
    Cada um de nós compõe a sua história
    E cada ser em si carrega o dom de ser capaz
    E ser feliz
    Conhecer as manhas e as manhãs
    O sabor das massas e das maçãs
    É preciso amor pra poder pulsar
    É preciso paz pra poder sorrir
    É preciso chuva para florir
    Ando devagar porque já tive pressa
    E levo esse sorriso porque já chorei demais
    Cada um de nós compõe a sua história e
    Cada ser em si carrega um dom de ser capaz
    E ser feliz

    Autor: Almir Sater/ Renato Teixeira

    Um beijo grande para ti Milu

    ResponderEliminar
  5. Por algum motivo, alheio à vontade de alguém e à minha também, este blogue não aparece actualizado lá no link do "Outra", e vou ter de dar uma volta para ver se é só ali...

    O que significa que tenho muito para ler!!!

    Mas já me questionava que coisa impediria o meu caro amigo de apelar à musas... Que até sei que as encontras, quando queres. ;)

    Então mas este não é sempre o dia mais importante da tua vida?...

    Abraço!

    ResponderEliminar
  6. Para te ser sincero, meu caro amigo, já tinha estranhado a ausência de tuas palavras sábias e balsâmicas, por este recanto. No entanto, sou sabedor de que a nossas vidas têm muitos haveres e os comentários, têm de ser merecidos pela qualidade do comentavel...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. E eu sei lá o que é isso de "qualidade" - só sei do que gosto ou não, o resto é relativo. Além disso há coisas aí por fora sem qualidade que se lhes aplique e com centos de comentários... Não te iludas com as caixas. Contenta-te com a tua escrita, o resto é perda de tempo.

    (Afinal a Nirvana já tinha acusado a falta de actualizações... Fantástica essa moça!)

    ResponderEliminar
  8. Também várias vezes desejo que o meu dia fosse importante. E também me sinto imediatamente boicotada, só pelo pensamento...

    ResponderEliminar

…Escrevo, principalmente, por falta de espaço dentro de mim para tantas emoções e tão grandes (para mim). Anseio pelos comentários, porque fico com a sensação de que os pingos de emoção que transbordo caiem em terras fecundas, e coadjuvam o nascimento de novas emoções, e produzem opiniões e contra pontos e desafios… e isso. Isso é “geleia real”, para as nossas vidas…

Mensagens populares